A inteligência ecológica ataca o falso marketing verde


Estava garimpando algumas notícias e encontrei essa que vou postar. Achei interessante porque, está relacionada ao meu último post, onde eu deixo claro minha preocupação com o falso marketing verde.

ESPERO QUE GOSTEM...

Soraya Pires



A inteligência ecológica ataca o falso marketing verde


Autor: GOLEMAN, Daniel

Fonte: FSP, Vitrine, p. 8

A inteligência ecológica ataca o falso marketing verde Só o conhecimento pode reduzir o impacto ambiental do consumo, prega o autor americano Daniel Goleman Débora Mismetti Editora-assistente do Vitrine O combate ao falso marketing verde e a diminuição do impacto ambiental causado pelo consumo são as novas palavras de ordem do psicólogo e escritor Daniel Goleman, 64. Autor do best-seller "Inteligência Emocional", ele investe agora na "Inteligência Ecológica" (editora Campus Elsevier, R$ 69,90, 264 págs.). Nesse seu último livro, Goleman defende que a sociedade tome consciência dos processos de produção que envolvem tudo aquilo que se consome, e que sejam revistos os métodos industriais incompatíveis com a preservação do planeta e da saúde das pessoas. "Não é mais possível ficar no escuro", diz o autor. Um dos caminhos para a transparência total, segundo o autor, é o trabalho dos ecologistas industriais -profissionais que sabem traçar toda a história de cada componente de um produto, calculando seus impactos ambientais e sociais. Assim, o ciclo de vida completo de uma mercadoria ficaria disponível para a análise dos consumidores, que decidiriam o que levar para casa com base em dados concretos, e não mais em falsas alegações ecológicas dos fabricantes. Esse trabalho minucioso, que começa a virar realidade em algumas partes do mundo, é o caminho para combater o falso marketing verde, diz Goleman. Folha - Como diferenciar marketing verde de iniciativas reais para reduzir impacto ambiental? Daniel Goleman - Agora, é muito difícil. Não há uma instituição independente que avalie o impacto do que compramos, ao menos não no Brasil. Mas já existe tecnologia para tornar isso possível. Nos EUA e na Europa isso já começou. Folha - Quem deve responder pelas análises de ciclo de vida dos produtos? Governos, empresas? Goleman - Sou a favor de algo independente, como um grupo de ecologia industrial, para criar uma total transparência e dar informação aos consumidores. Um modelo para isso é o Good Guide. Ele é um corpo independente de cientistas e acadêmicos, que têm diversas fontes de informação. Eles oferecem um perfil completo do produto, de todo o seu impacto ambiental. Esse guia resume todas as avaliações em uma só, e dá uma nota simples, de 0 a 10. Com isso, você tem uma maneira de fazer escolhas reais. Folha - Onde existe um desenvolvimento maior das análises de ciclo de vida dos produtos? Goleman - Estados Unidos, União Europeia e China. A China, surpreedentemente, está se tornando um centro de estudos desse assunto. Eles são a fábrica do mundo e estão percebendo que precisam entender por que seus clientes preferem um produto a outro, por que param de comprar algo. Todos os fabricantes serão forçados a dar todas as informações sobre seus processos de produção. O varejo começa a exigir isso. O modelo é o Walmart. Cerca de 20% dos produtos chineses são fabricados para o Walmart. E eles estão criando um índice próprio de impacto ambiental. Vão exigir as informações dos fabricantes, analisar, dar uma nota e colocá-la ao lado da etiqueta de preço, no supermercado. Isso está causando um pequeno terremoto na indústria. Uma outra cadeia de supermercados, a Safeway, com lojas na Califórnia, também está colocando essas notas, baseando-se nos rakings do Good Guide, que consideram o impacto de cada produto no aquecimento global, quanta energia ele consome, o impacto na biodiversidade, o impacto social. São questões duras, para as quais a indústria está sendo forçada a olhar. Nesta nova era de transparência, o consumidor vai votar com o seu dinheiro. Folha - Não é muito poder para quem faz esses índices? Goleman - A organização que faz esse tipo de ranking tem que ser transparente. Quem quiser fiscalizar isso tem que ter acesso aos critérios para a escolha da nota. Não sei se o índice do Walmart, por exemplo, vai ser transparente. Se não for, isso pode dar vazão ao marketing verde, a coisas que parecem ecológicas, mas que só diminuem impacto em um aspecto. A transparência é a única coisa que pode acabar com esse "greenwashing": a coisa que parece verde, mas não é. Folha - As condições de trabalho entram nesse ranking? Goleman - No do Good Guide entram. A pessoa que fez o Good Guide [o americano Dara O'Rourke] é um professor que passou anos em chão de fábrica em países do terceiro mundo. Ele é que denunciou a Nike e expôs o uso de trabalho indigno que a companhia fazia. Hoje em dia, a Nike lidera um movimento em seu setor para acabar com o uso de "sweatshops". Folha - Como fazer o consumidor criar o hábito de consultar esses índices e mudar suas escolhas? Goleman - O Good Guide, por exemplo, está num aplicativo de iPhone. Você procura lá o xampu que vai comprar, o protetor solar, e ele mostra qual é a nota dele quanto ao impacto ambiental e se há similares melhores. Como a gente não costuma mudar muito nossa lista de compras no mercado, acho que não é tão difícil assim. Para as gerações mais novas, isso já faz parte do cotidiano. O trauma da geração das crianças de hoje é o risco de perder o planeta como nós o conhecemos. Agora, os mais velhos têm mais dificuldade de mudar de hábitos. Hoje, ainda é difícil fazer boas escolhas. Com a era da transparência, ficará mais fácil. O novo ranking dos produtos "corretos" Editora-assistente do Vitrine Modelo de transparência para o autor Daniel Goleman, o Good Guide (goodguide.com) reúne informações sobre mais de 70 mil produtos, como brinquedos, cosméticos, itens de limpeza, alimentos industrializados e in natura, à venda nos Estados Unidos. A equipe do site, da qual fazem parte especialistas em resíduos químicos, relações de trabalho, saúde, logística e ambiente, analisam informações publicadas pelas empresas, por agências governamentais e ONGs sobre todas as questões envolvidas na produção. Entram na conta os riscos para a saúde dos trabalhadores e dos usuários dos produtos, as emissões de carbono, a qualidade do atendimento dado aos consumidores, riscos da produção à biodiversidade local, a quantidade de energia exigida e a transparência da fabricante. Todas as notas de cada quesito são convertidas para uma escala de 0 a 10 e somadas. Assim, é possível procurar, por exemplo, qual é a melhor pasta de dente disponível no mercado, o macarrão mais ecológico ou o brinquedo mais seguro. Clicando no produto, aparecem informações detalhadas sobre as notas. Quem tem iPhone pode baixar o programinha do Good Guide no celular. Por meio da câmera do aparelho, dá para escanear os código de barras dos produtos (só dos vendidos nos EUA) e consultar as notas instantaneamente. FSP, 20/03/2010, Vitrine, p. 8

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter

Quem somos nós

Diante da necessidade de um novo pensamento global e de uma nova geração de consumidores conscientes, foi desenvolvido o Move-Marketing. O movimento é a nossa marca, inovação é o nosso forte. Precisamos do nosso Planeta e juntos aprenderemos a sermos Sustentável, porque ainda é tempo de uma nova mudança.

Seguidores

Tecnologia do Blogger.